IMPRENSA
Imprensa   <<voltar

ABPM E INSTITUTO TOTUM APRESENTAM NOVIDADE DO QUALITRAT: CATEGORIA ADESÃO
21 de julho de 2014

Versão do programa de autorregulamentação do setor de madeira tratada no país visa facilitar o processo de qualificação das usinas de preservação

Em agosto, a Associação Brasileira de Preservadores de Madeira, em parceria com o Instituto Totum, lançou a segunda fase do Qualitrat: a categorização do programa. A certificação Pleno (já existente) é voltada para as usinas que estão em estágio avançado de qualificação, enquanto o Qualitrat Adesão destina-se às empresas que querem se familiarizar com o programa e ainda estão se adaptando a todas as exigências para obtenção do Pleno. Para conquistar o Qualitrat, independentemente da categoria, é necessário atender a 100% dos indicadores obrigatórios (38 no Pleno e 21 no Adesão) e 60% dos desejáveis (35 no Pleno e 3 no Adesão).

Outra diferença para a concessão do selo de cada categoria é o tipo de auditoria. No caso do Qualitrat Pleno, são necessárias verificações documental e de campo, nas instalações da usina, por um organismo auditor - o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), totalizando um investimento aproximado de R$15.000,00. No Qualitrat Adesão, a auditoria é realizada apenas de forma documental, processo que reduz os custos da ABPM e do Totum, elimina a taxa do IPT, e gera um valor menor para a usina interessada na qualificação: apenas R$5.000,00.

"Gostaríamos de deixar claro que as usinas que receberem o Qualitrat Adesão atendem aos requisitos básicos da Norma de Referência do Selo de Qualificação" explica Flávio C. Geraldo, presidente da ABPM. "Acreditamos que com essa categorização mais empresas possam conquistar o Qualitrat contribuindo para que o mercado consumidor de madeira tratada saiba diferenciar as usinas de tratamento que garantem a qualidade e a legalidade dos seus produtos", complementa. Atualmente, apenas a Agrocity (unidade João Pinheiro) recebeu o selo Qualitrat Pleno.

Para Fernando Giachini Lopes, sócio e executivo do Instituto Totum, "a ideia é que todas as empresas sérias e legalizadas possam aderir ao Programa, sendo que aquelas que receberem o selo Adesão terão até 24 meses para se adequarem aos requisitos do Pleno, trabalhando de forma programada e gradativa para alcance de um patamar de excelência em termos de legalidade, qualidade e sustentabilidade no setor". Cabe esclarecer que anualmente, a usina certificada na categoria Pleno receberá auditoria de renovação com o objetivo de verificar se as condições que deram origem à certificação inicial continuam presentes.

Qualitrat: garantia de qualidade e legalidade

Com o selo de qualificação concedido às usinas de tratamento de madeira fica claro o compromisso do setor com os preceitos da qualidade e da legalidade. Importante ressaltar que o fato de determinada empresa não ter ainda aderido ao programa não a desqualifica, afinal, o setor encontra-se no início de um importante processo que ganhará maturidade e adesões ao longo do tempo.

Os critérios para receber o selo QUALITRAT (Adesão e Pleno) estão divididos em cinco princípios, com os seguintes indicadores:

1. Habilitação e Idoneidade Jurídica (Habilitação e Idoneidade Jurídica; Concordância com o Regulamento Técnico do Selo de Qualificação ABPM; Conformidade tributária e trabalhista).

2. Gestão da qualidade nos processos (Controle sobre matéria prima; Controle sobre o processo de secagem; Controle sobre o processo de tratamento; Processo de garantia da qualidade; Gestão da qualidade e melhoria).

3. Gestão Ambiental (Regularidade Ambiental; Capacidade em identificar e tratar os impactos ambientais relevantes para a operação e atender aos requisitos legais; Capacidade de Melhoria da Gestão Ambiental).

4. Regularidade Social, Trabalhista e Gestão de Saúde e Segurança (Regularidade social e trabalhista; Gestão de segurança; Saúde Ocupacional; Capacidade de gestão de Saúde e Segurança Ocupacional).

5. Ética e Responsabilidade Social (Compromisso formal com os princípios éticos; Conformidade fiscal e contábil; Relação com comunidade; Uso de critérios socioambientais no processo de contratação de fornecedores; Melhoria nos processos internos de trabalho)

Para Geraldo, um dos principais desafios da ABPM em relação ao QUALITRAT é fazer com que os mercados consumidores fiquem devidamente informados a respeito do programa. "Somente com uma comunicação constante e clara com os mais importantes setores consumidores da madeira tratada - ferroviário, rural, elétrico e construção civil - o mercado terá ciência do diferencial dos produtos chancelados pelo selo Qualitrat".