QUEM SOMOS
Quem Somos
Palavra do Presidente

O momento não poderia ser mais promissor para o setor de madeira tratada no país. Depois de mais de uma década de discussões, conseguimos implementar, em 2012, o Qualitrat, programa de autorregulamentação do nosso segmento, para garantir a produtores e consumidores da madeira tratada a qualidade e a legalidade do produto. Este ano também alcançamos um objetivo muito importante: a publicação de duas normas técnicas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas): NBR 6232 - Penetração e retenção de preservativos em madeira tratada sob pressão, e NBR 16143 - Preservação de Madeiras - Sistema de categorias de uso. E outras estão prestes a serem publicadas por esse órgão.

Temos consciência de que o retorno do Qualitrat não será da noite para o dia, mas para colher é preciso plantar. Acreditamos que de 1 a 3 anos o mercado perceba os benefícios da certificação, e para isso estamos trabalhando firmemente na comunicação do programa para que os mercados consumidores fiquem devidamente informados a seu respeito. A certificação que garante a legalidade e a qualidade da madeira tratada já é exigida por empresas do exterior que importam a madeira brasileira; órgãos públicos de alguns estados só podem adquirir madeira com certificações específicas, incluindo comprovações de legalidade, qualidade e garantia , além da comprovação de origem, o que não deixa de ser uma limitação ao uso de madeira nativa e uma oportunidade para a madeira de reflorestamento tratada. Portanto, o trabalho da ABPM para desenvolver e implantar o Qualitrat caminha ao lado da tendência mundial de garantir legalidade e qualidade a determinado produto.

Com relação às Normas Técnicas, acreditamos que elas sejam verdadeiros instrumentos de abertura e consolidação de mercados, e não se trata de coincidência que mercados fortes na utilização de madeira tratada no Brasil - em especial os de postes, mourões, dormentes, carretel para bobinas - têm Normas Técnicas.  Agora, com a publicação da NBR 16143, chegou a vez de consolidarmos a madeira tratada no segmento de maior potencial de crescimento: o da construção civil.

Também gostaria de chamar a atenção para o fator sustentabilidade: contribuir para a manutenção do meio ambiente é um dever de todos, mas a utilização da madeira tratada vai além disso, já que ela oferece vantagens competitivas tanto em nível tecnológico quanto financeiro.

Com trabalho árduo chegamos até aqui. E com mais trabalho e obstinação temos a certeza de que podemos ir muito mais longe.